A Jornada da Heróina

[Benedito, Mas será o Benedito? *]

Esse domingo, meio que sob pressão, aceitei o convite de um amigo para acompanhá-lo na sua segunda sessão de Jogos Vorazes: Em Chamas. Confesso que um dos preconceitos que eu ainda tenho, mas estou lutando pra extinguir, é o elitismo, e não tem coisa que me repele mais do que um filme ou livro que cai no gosto da esmagadora maioria da população. A crença geral é que se a grande massa gosta, não pode ser boa coisa. Não me orgulho de concordar com isso, mas é importante deixar claro pra ilustrar o quanto eu não estava nem um pouco interessado na última sensação literária e cinematográfica dos jovens.

Dito isso, fomos eu, esse amigo e outra amiga assistir o bendito filme. Sobre ele, confesso que gostei. Me venceu pelo cansaço e, ainda essa semana, pretendo começar a ler os livros. Mas foi outra coisa que me deixou pensativo.

A construção dos personagens.

É raro e muito interessante ver uma personagem feminina, protagonista, forte e independente. Não sou nenhum expert em análise de narrativa (quem sabe no futuro), mas apesar de leigo, deu pra perceber que Katniss, a personagem principal, não precisa ser salva por nenhum dos personagens masculinos em nenhum momento. Pelo contrário, ela constantemente salva Peeta e – ao lado dele – se apresenta como a personagem responsável por guiar os acontecimentos, dar ritmo a trama, enfrentar e vencer os desafios, proteger os personagens mais fracos. Peeta, por sua vez, é o lado tímido da narrativa, que precisa ser guiado, forçado para fora de seu torpor para perceber que precisa agir por conta própria. Ele não possui características físicas marcantes, tampouco intelectuais. Para todos os efeitos e fins, ele é um sujeito sem graça, que não fosse por Katniss teria morrido na primeira meia hora dentro da arena.

 Mais uma vez, não li os livros, logo essa é uma análise bem superficial. A família de Katniss é composta exclusivamente por mulheres. Sua mãe, muito afetada pela morte do marido em um acidente, não consegue cuidar das filhas e sobra para Kat assumir a responsabilidade. Seu melhor amigo e paixonite aguda, Gale, é o perfeito estereótipo de galã e tinha tudo para ser o salvador, que cuida de Kat e de sua família, mas não é esse o caso. Em todos os momentos ele é apresentado em pé de igualdade com ela, como auxílio, nunca como príncipe do cavalo branco.

Depois que Kat deixa a família para participar dos Jogos, a irmã mais nova amadurece e igualmente assume as responsabilidades que antes eram da mais velha, mostrando que ela também é perfeitamente capaz de se virar no mundo caótico em que vivem. Existem vários detalhes, também, como o fato de Peeta ser padeiro/confeiteiro, profissão comumente tida como delicada e não muito “máscula”. Enfim, entre os personagens principais fica muito claro que existem aqueles que sabem se cuidar e aqueles que precisam de ajuda e, na história, isso não tem nada a ver com o gênero.

Monomito

 O Monomito, ou Jornada do Herói, foi um padrão encontrado pelo antropólogo Joseph Campbell na maioria dos mitos e histórias de heróis, sejam elas antigas ou contemporâneas. Ele diz que, como regra geral, as histórias de heróis seguem sempre a mesma linha e servem para enaltecer o protagonista e suas características. Por muitos anos, esse padrão foi utilizado exclusivamente com personagens masculinos. Apenas homens eram vistos como adequados para seguir a Jornada do Herói e a recompensa máxima era o amor da mocinha no fim da história. Mais machista que isso, impossível.

Justamente por isso é bacana observar filmes e livros voltados para o público infanto-juvenil, como Jogos Vorazes, que encaixam perfeitamente bem uma heroína dentro da Jornada do Herói.

Katniss, aliás, é essa jovem decidida e guerreira, mas também é vulnerável, tem medo, sofre com pesadelos depois dos jogos e busca em Peeta o mesmo consolo que ele busca nela. A personagem consegue balancear os dois lados, sem ser a donzela em perigo, mas também sem pender para o lado kicking ass and taking names, como se fosse impossível ser uma heróina lutadora e delicada, ao mesmo tempo.

Acho que isso se enquadra bem no que a Natalie Portman disse, recentemente, em entrevista a umarevista americana. Segundo a atriz, transformar as personagens femininas de Hollywood de donzelas indefesas à guerreiras assassinas não tem nada de libertador ou feminista. É só mais um tipo de opressão.

Por enquanto, o filme passa pelo menos pelo Bechdel Test. E olha que isso já é um grande feito.

*[N.E] Texto publicado originalmente no blog do autor. http://masobenedito.blogspot.com.br/2013/11/a-jornada-da-heroina.html

estrutura

Jogos_Vorazes_Katniss_Everdeen

poster-jogos-vorazes-em-chamas-modelos-01-a-04-frete-gratis_MLB-F-5185705145_102013 Em-Chamas-fotos-29-10-1

Trailers de “Jogos Vorazes: Em Chamas.” (2013)

Trailer de Jogos Vorazes I (2012)

Anúncios

Um comentário sobre “A Jornada da Heróina

  1. Sugeri esse texto para a Pittacos depois que o li em um Blog. Recomendo muito o blog. http://masobenedito.blogspot.com.br/ .

    Depois que li o texto. Fui ver o primeiro filme. É um bom filme mesmo. Ganha de longe do resto dos filmes do gênero para adolescentes e também dos filmes de ação/aventura que andam por ai. (Wolverine deve se rasgar com as próprias garras de inveja)

    Ele pode ser criticado por reprisar a ideia do triangulo, mas parece ser uma formula inescapável para atrair a atenção dxs jovens.

    Como outros já disseram, ele lembra muito o japonês “Batalha Real”, mas acho superior em vários pontos. Pra mim é a primeira vez que um enredo do tipo “the runnerman” é elaborado com alguma dimensionalidade nos personagens.

    O modelo “irmã/irmãzinha” parece ser a estrategia da moda para escapar do clichê “como agarrar um marido”. E a maneira mais fácil de se passar pelo Bechdel Test.

    O elenco é muito bom. Um dia alguém vai ter que dar uma espada (ou arco) para a Jennifer Lawrence e outra para a Saoirse Ronan (How I Live Now , Bizancio) e gritar que só pode haver uma. O ponto fraco é Liam Hemsworth (acabei de ver o péssimo Paranoia com ele)

    Se não houvesse outras qualidade no filme, o pano de fundo critico e politico já bastava para obrigar todos os adolescentes a assistirem. Que distancia das bobageiras hedonistas que comumente idolatram.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s